quinta-feira, novembro 09, 2017

Testamento'



A culpa será sua.
Irei deixar ele para tu cuidar.
Estarei longe demais para imaginar,
O quanto tu se arrepende ou o quanto mais tu sorri.
A culpa será sua.
Irei deixar ela para tu acalentar.
Estarei longe demais para ouvir,
O quanto tu se desculpa ou o quanto menos tu se cala.
A culpa será sua,
Pois eu não irei ficar.
A culpa foi dele,
Pois eu desejei desaparecer.
Mas, por favor, não te preocupa;
Deixa que eu abaixo o volume, deixa que eu calo a boca.
Não te incomoda,
Eu carrego a tua, a dele e a dela;
Viro a esquina e levo até a ponte de ferro.
A culpa sempre foi minha, não é?
Se ela é pesada assim para carregar,
Deve ser o suficiente para me afogar.

[Suelen de Miranda]

*logo tudo se acaba. com ou sem mim.
Serviu?

terça-feira, outubro 17, 2017

Santana'




 

Eu não te contei?
Todas as ruas levando pra lugar algum,
E todas as vezes que eu estive em cada uma delas.
Até parece que me esqueci.
Todas as palavras dizendo coisa alguma,
E todas as vezes que eu ouvi cada uma delas.
Eu não te contei?
Todas as gotas sangrando de corte algum,
E todas as vezes que eu sequei cada uma delas.
Até parece que me esqueci.
Todas as mortes salvando vida alguma,
E todas as vezes que eu desejei cada uma delas.
Eu não te contei?
Todas as pessoas sendo coisa alguma,
E todas as vezes que eu quis ser cada uma delas.
Ninguém lhe contou?
Dizem que más notícias chegam rápido,
Deve então ser boa nova que eu não sobrevivi.


[Suelen de Miranda]

* que droga de texto. que droga de sentimento. tá explicado então.
Eu não vou mais filtrar muito, vou jogar aqui e sinto muito, mas não me desculpo.

domingo, outubro 15, 2017

Atestado'

 

Não é mais um segredo.
Foi posto na mesa, fatiado e todo mundo se serviu.
Foi adoçado para que ninguém franzisse o cenho.
Não é mais um segredo.
Foi colocado na prateleira, exposto e todo mundo viu.
Foi empoeirado para que ninguém desviasse o olhar.
Não é mais um segredo.
Foi em cada canto desta casa, escondido e ninguém sentiu.
Foi só comigo para que ninguém sentisse vergonha.
Nunca foi segredo.
Foi em todos os cômodos, inclusive o teu.
Foi dentro e fora, inclusive contigo.
Não é mais um segredo.
Tu não recebeste a boa notícia?
Eu queria que tu soubesses antes de todos,
Eu queria que tu soubesses antes de mim.
Que não é porque eu ainda esteja ali,
Que eu ainda esteja aqui.


[Suelen de Miranda]

*não tem justificativa. não tem graça. até parece que tu abres o portão pra ele entrar.
mas deixa. deixa porque tu não me ouviu. deixa porque tu não faz idéia. deixa. deixa porque é comigo. foi. e vai ser sempre. então porque se preocupar, não é mesmo?! isso, sorria! tudo vai ficar bem contanto que não seja contigo.

segunda-feira, setembro 18, 2017

Misericórdia'



É como empurrar contra o fogo.
Assistir borbulhar e virar lágrima.
Não sei do que tu estás falando.
Dizem que só se entende o que se também.
Não sei do que todos estão falando.
É como afundar em lama.
Assistir lutar e virar pedra.
Não sei do que tu estás falando.
Dizem que é preciso já estar lá pra poder chegar.
Não sei do que todos estão falando.
É como voltar sem saber como ir.
É como sangrar sem saber cortar.
Ninguém sabe do que eu estou falando.
Ninguém sabe do que estamos todos falando.
Dizem que só se sabe quando também.
É como morrer sem ter nascido.
Então eu tento explicar. 
É como nascer sem ter consentido.

[Suelen de Miranda]

*O que eu quero dizer, eu nem sei. Eu quero parar de postar aqui, mas quero contar tudo sem saber o que dizer.
Me diz? Me conta qual o segredo.

quarta-feira, setembro 13, 2017

Quarentena'



 

Não encosta mais em mim.
Tudo que eu disse e tu deverias ir embora;
Me deixar feder e mudar de cor.
Tudo que eu fiz e tu deverias chorar;
Me deixar vazar e expor o que for.
Não se aproxime, não olhe para mim.
Tudo que eu pensei e tu deverias saber;
Me cobrir de sujeira e me assistir mesclar.
Tudo que escondi e tu deverias ver.
A cicatriz é nova e tu não viu abrir.
O desespero é ancião e tu não ainda não entende.
Não importa o que tu faças a não ser que seja fugir.
Eu adoeço a cada vez que sinto medo,
O barro ainda é vermelho, e eu ainda quero ter certeza.
Não toque mais em mim.
É muito mais que ser contágio. 
Estou avisando.
Eu irei ruir. 

[Suelen de Miranda]

*Não era isso. É de hoje mas eu não estou aqui. Não está tudo. Eu não estou.
Está difícil respirar de novo, e ninguém se afasta. Era pra ser protocolo; como dos filmes. Mas deve ser interessante, deve ser divertido olhar de perto. Todo mundo gosta de uma tragédia que não seja a sua. 
Ele ainda tem a chave do portão.